terça-feira, 26 de junho de 2018

Juliana Paes: “Estou muito tranquila em criar a minha Gabriela”


“Gravar nessa região não é só legal e exótico, mas fundamental para tentar entender a personagem”. Com essas palavras, Juliana Paes define sua experiência pelo nordeste do Brasil, onde as primeiras cenas da nova novela das 22h começaram a ser gravadas. Acompanhamos os quinze dias de trabalho da atriz entre os estados de Pernambuco, Piauí e Bahia que deram à atriz um novo olhar em relação à vida na caatinga, lugar em que os habitantes vivem uma realidade extrema em comparação aos cidadãos das grandes metrópoles.

O fato é que Juliana transformou-se, literalmente, em uma “mulher da terra”, embrenhando-se pela a caatinga com a equipe da trama, vivendo o dia a dia das pessoas que moram por ali e, ainda, aprendendo os segredos da culinária local.

Abaixo, em entrevista exclusiva no restaurante do hotel onde a equipe da novela se hospedou, a atriz contou como foi a experiência de passar um tempo no “berço” de Gabriela.

Como é gravar no sertão?
“Gravar nessa região não é só legal e exótico, mas fundamental para tentar entender a personagem. Muito se fala sobre a sensualidade de Gabriela, mas a verdade é que a Gabriela é uma mulher retirante, uma sertaneja. Ela vem de uma vida sofrida, dura. E, chegando nesse lugar, dá realmente para perceber como as pessoas viviam naquele tempo. Até as árvores são agressivas, espinhosas. Não existe aquela coisa de ‘vamos recostar à sombra daquela árvore’. Elas estão cheias de espinhos, o chão é cheio de cactus... É inóspito, mesmo. Difícil de se ficar, de se caminhar. Então, serviu até para entender a fala dessas pessoas, que é um pouco mais dura em função dessa vida difícil que elas deviam levar. Foi fundamental poder passar esse tempo no sertão, sentir como é difícil e, finalmente, perceber que Gabriela, apesar de tudo, é uma pessoa que tem a alegria de viver, porque é uma sobrevivente.”

Disseram que você é uma atriz que “mergulha” no set: sente a terra, caminha pelo local, anda sobre a caatinga... Qual é a importância disso para você?
“Meu entendimento de Gabriela é que ela é uma mulher conectada com a natureza. Ela gosta de bicho, de planta, do vento, do céu, do sol... Então, em todos os momentos em que estou no set, tento estabelecer esses contatos. Acho que isso vai servir para momentos futuros.”

O que mais lhe atrai em Gabriela?
“Acho que a característica da Gabriela mais fascinante e que também é um pouco inusitada para as pessoas, é a força dela. Não é uma maluquinha qualquer que procura achar as coisas. Ela é forte e tem a noção de que sobreviveu para chegar onde chegou. Quando chega à cidade, por exemplo, onde a vida é mais fácil, a comida é mais fácil, a água é mais fácil, aí sim ela se sente no paraíso, porque já passou por muita necessidade como: fome, sede, falta de lugar para dormir... Esse passado difícil é o que faz dela a mulher forte que é agora.”

Como foi a preparação para viver a personagem em um primeiro momento?
“Uns dois dias antes do começo das gravações, a gente se embrenhou pela caatinga. Conheci uma senhora, D. Luzia, que foi de uma generosidade tremenda. Passei o dia com ela e percebi que ela tem uma neta, a Taiane, que é uma ‘Gabrielinha’. A menina é totalmente da terra, tem um jeito de pegar as coisas, de subir em árvores e faz isso com tanta naturalidade... Fiquei só de olho nela. Então, passei esse tempo experimentando a natureza, esse calor, esse sol que pega fundo na pele, que deixa a gente curtido, mesmo. Acho que tem algo de divino no processo que também acaba transparecendo depois. Alguma força que é inconsciente, que depois acaba ficando impresso na personagem.”

E sobre a preparação física? Teve alguma dieta especial? Malhação?
“As pessoas daqui são pessoas fortes, que vivem com o essencial, com muito pouco. Estou muito tranquila em criar a minha Gabriela. Ela não é uma mulher muito abastada de comida, por exemplo. Então, não consigo ver a personagem muito farta. Acho que ela é magra. Não porque corre e se exercita com isso. Mas porque, em vários momentos, faltaram proventos a ela como a farinha, a carne de sol... Minha preparação foi muito nesse sentido: criar uma figura rígida, seca, que tivesse a ver com essa paisagem. Fui para a academia mesmo, corri bastante e não vou mentir para vocês: não sei fazer dieta e não fiz regime, porque também não sei. Então, tive que suar a camisa.”

Você fez um workshop de culinária baiana. Já tinha algum conhecimento sobre como preparar esse tipo de prato?
“Sempre fui muito fã de comida baiana. Adoro um acarajé, um abará, ô... (risos). Mas não tinha noção de como se preparava essas comidas. Por isso, o workshop de culinária foi muito interessante e gostaria de mandar um beijo para a Cida (Baiana), que foi quem me ensinou tudo isso. A comida baiana não é só pegar a receita e fazer. Tem um jeitinho de se preparar também. E esse jeitinho aprendi com uma baiana legítima! Agora sei que já posso convidar as pessoas para comer uma moqueca lá em casa, porque sei fazer! (Risos).”

Um recado para o público que vai assistir à novela:
“Internautas do meu coração: vocês não podem perder Gabriela! A gente está caprichando com cenários lindos, figurino e maquiagem maravilhosos, o elenco está todo entregue à trama, com um supertesão de fazer. Acho que vocês vão se surpreender com a poesia que a gente está colocando em tudo. Espero vocês. Beijo!”

Você não pode perder “Gabriela”, a nova trama das 22h, que será exibida de segunda a sexta-feira a partir do dia 2 de julho. Escrita por Walcyr Carrasco, a novela tem direção artística de Roberto Talma e direção geral de Mauro Mendonça Filho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário